Quantas caixas eu marquei?

Se houvesse uma lista de “boa pessoa”, eu poderia ter preenchido com sucesso…

Escrito por Maggie Pope
Quantas caixas eu marquei?

No papel, sou uma boa pessoa …

Às vezes eu mergulho na página da nossa cidade no Facebook. O site está lá para informações locais – fechamentos de estradas, horários de abertura de lojas, bicicletas roubadas e cães perdidos – e é muito útil. Mas os moradores locais não se contentam com o simples fornecimento e recebimento de informações. Qualquer post pode atrair a expressão de opiniões forçadas que se desenvolvem em discussões acaloradas muito rapidamente e, em seguida, se transformam em desavenças. A partir disso aprendi duas coisas.

  1. Como as pessoas irritadas superam problemas menores.
  2. Qual é o julgamento geral de uma “boa pessoa”?

Aparentemente, se você doar para a caridade, não cortar o tráfego em velocidade, tem um cachorro ou gato e sempre recicla o plástico, então você é uma boa pessoa. O bar é certamente definido como baixo.

Eu marquei um monte de caixas “boas”, então eu passo como uma boa pessoa por esses critérios. E, além disso, nunca fui presa, pago minhas contas e não grito com as pessoas na rua. Se eu fosse me julgar pela opinião dos outros, acho que estaria bem. E se usarmos esses critérios, muitas pessoas na minha cidade natal são boas pessoas, porque também marcam essas caixas.

O problema com isso é que a avaliação do que é bom está sendo definida por pessoas. Todo país e toda sociedade tem seu próprio conjunto de valores sobre o que é louvável e, embora isso possa mudar de cultura para cultura e até mesmo de geração em geração, há uma coisa que permanece a mesma; Todos esses julgamentos são baseados no que os outros podem ver e ouvir.

Quem decide?

Abaixo da superfície

E se houver um Criador que nos conheça melhor do que nós mesmos e que entenda quais são nossos motivos e o que estamos pensando?

Se não há Criador, posso pensar no que gosto e ainda parecer bom para as outras pessoas. Eu posso ser uma boa pessoa no papel, mas por dentro eu posso ser ciumenta, amarga e ressentida, dizer mentiras e fazer meus motivos serem bons quando eles não são.

Mas, se eu acredito que existe um Deus que entende meus pensamentos mais profundos – e ainda assim estou satisfeita em parecer boa para as outras pessoas – então eu sou um hipócrita.

Quando realmente conhecemos a Deus, começamos a olhar para nós mesmos de uma nova maneira, e Ele revela o que somos pouco a pouco. Ele descasca nossa natureza diante de nossos olhos como as peles de papel de uma cebola. Quando vemos nossos motivos ocultos, nossa presunção e senso de importância, devemos odiá-los. Essa foi uma das coisas sobre as quais Jesus falou com muita força.

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia.” Mateus 23:27.

Não é o ateu que é um hipócrita, é o crente apático que está satisfeito com a “caiação” do estilo de vida e posição social de fazer parte de uma comunidade da igreja.

Um cristão caiado?

Eu percebi pela primeira vez que eu estava “cheia de ossos de homens mortos” depois de ter sido cristã por vários anos. Quando éramos jovens, meu marido e eu fomos rapidamente nomeados líderes de jovens para uma igreja batista evangélica. Nós éramos da idade certa, não tínhamos vínculos, nem filhos, tempo de sobra para dar – éramos “perfeitos”. O que esses anciões que nos designaram não sabiam era que discutíamos a caminho de todas as reuniões da igreja, elogiamos o Senhor e éramos todos sorrisos enquanto estávamos lá, então pegamos cada argumento rancoroso assim que saímos e continuamos em casa.

O que nos salvou de ficar caiados? Foi quando começamos a ler o que realmente estava escrito na Bíblia, e não o que pensávamos dizer. Quando não escolhemos apenas nossos versículos favoritos sobre bênçãos e salvação, mas começamos a ler sobre como éramos realmente. Versos como este:

“E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; Porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era.” Tiago 1:22-24.

E em vez de discutir e culpar um ao outro, começamos a nos julgar e perceber o que nos motivou a reagir de maneira ruim. Começamos a ter consciência do que devemos mudar em nós mesmos, em vez de tentar julgar e mudar um ao outro. Acima de tudo, começamos a usar a palavra de Deus para nos ajudar a libertar-nos de nossa natureza.

Quarenta anos depois, há muito desistimos de tentar parecer bom para as pessoas e, pela graça de Deus, estamos livres da cal.

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz,… e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar.” Hebreus 4:12-13.

 

Assista a este vídeo convincente de Petter que um dia acorda com o fato de ser um cristão hipócrita.
Esses artigos também podem ser de interesse:

Baixar e-book grátis

Eu estou crucificado com Cristo

Escrito por Elias Aslaksen

Este livreto é baseado nas palavras de Paulo em Gálatas 2:20: “Eu estou crucificado com Cristo; não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim …” Aqui Elias Aslaksen explica o que isto quer dizer e como os leitores podem ter o mesmo testemunho que Paulo em suas próprias vidas.