“Não julgueis” – Até que ponto você leva a sério o mandamento de Jesus?

Somente Deus é capaz de julgar com retidão, e devemos deixar todo o julgamento para ele!

Escrito por CristianismoAtivo
“Não julgueis” – Até que ponto você leva a sério o mandamento de Jesus?

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. Mateus 7:1-2.

Esse mandamento de Jesus pode fazer a maior diferença em seu desenvolvimento espiritual. Você quer que tudo corra bem para você? Você quer fazer um progresso rápido no caminho? Então decida que você seguirá este mandamento ao pé da letra: “Não julgueis!” Este é um mandamento extremamente importante.

Por que é importante “não julgar?”

O corpo de Cristo é composto de muitos membros diferentes, pessoas de todos os tipos. Deus escolheu cada um desses membros. Está escrito em 1 Coríntios 1:26-28: “Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes;  E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são;…”

Por natureza, as pessoas não são grandes, perfeitas e sábias. E no ponto de partida, as coisas podem estar muito ruins de acordo com a carne. Mas, no entanto, de acordo com o Espírito, elas são as pessoas mais preciosas que podem ser encontradas na terra: aquelas que foram escolhidas por Deus.

Portanto, é de extrema importância ser obediente a esse mandamento: “Não julgueis.” Jesus continuou aí dizendo que a mesma medida que você usa para os outros será usada para medir você. Em outras palavras, se sua medida – sua tolerância para com as outras pessoas, sua longanimidade, sua paciência, sua relação com eles, seu amor por eles – é muito mesquinha, então Deus entrará em seu armazém e encontrará um dedal minúsculo como um medida, e ele derramará esse tanto de graça sobre você. Imagine isso! Mas quando você não julga, mas sim abençoa, e está interessado em ajudar as pessoas a progredir, então você receberá grande graça sobre você! Quando você pega uma jarra grande e a derrama sobre outras pessoas, Deus pega uma jarra grande e a derrama sobre você.

O perigo de julgar

O que é tão perigoso em julgar é que muitas vezes você pode julgar o inocente como culpado. Porque não é certo que ele tenha feito isso. Você pode perguntar: como isso pode ser possível quando você o viu fazer algo? Mas pense assim: todos nós temos um “inquilino”; todos nós temos pecado na carne. E nas áreas onde não temos luz sobre o pecado em nossa carne, ela aparecerá. E quando você vê outra pessoa fazer algo, você pode pensar que o que ela fez é escuridão total. E então você a julga de acordo com sua luz. Mas não é certo que ela tenha sua luz. Isso significaria que ela é absolutamente inocente. E, neste ponto, muitas pessoas cometem um erro terrível. Eles julgam o inocente como sendo culpado. Mas é o “inquilino”, o pecado em sua carne, que fez o mal.

Paul explica assim: “Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço. E, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim.” Romanos 7:15-17. As pessoas misturam as coisas aqui. Por causa do “inquilino”, as pessoas podem ser completamente inocentes e, portanto, devemos guardar o mandamento “Não julgueis”.

Leia mais aqui: A verdade sobre Romanos 7 – fazer o que não quero fazer

É Deus quem julga

Se as pessoas são, de fato, ímpias, então é Deus quem vai lidar com elas e revelá-las. As Escrituras dizem que os ímpios não permanecerão na assembléia dos justos. (Salmo 1: 5.) Não é algo com que você precise se preocupar. Para você mesmo, você deve sempre presumir que a intenção deles era boa. Então você está calculando o mais próximo da verdade. Então você pode continuar sendo bom para as pessoas. E então, se descobrir que suas intenções não eram boas, Deus virá com sua vassoura e limpará. Deus cuida disso. E então você não caiu em julgamentos, críticas e pensamentos suspeitos sobre os outros. Você pode permanecer no amor, suportando todas as coisas, acreditando em todas as coisas, esperando todas as coisas e suportando todas as coisas. (1 Coríntios 13: 7.)

Todos precisam se humilhar e deixar o julgamento para Deus. E então tudo corre bem. Então haverá comunhão, unidade e fraternidade. Julgar é um pecado horrível que vem do próprio Satanás. Portanto, mantenha-se longe, longe disso. Em vez disso, busque a paz e a santificação. Então você chegará o mais perto possível de Deus.

Tiago 4:11-12: “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?”


Esse artigo é baseado em uma fala de
Kaare J. Smith de 11 de junho de 2020.

 

Você pode estar interessado em ler mais em nossa página de tópico “As palavras de Jesus,” ou nos seguintes recursos:

Baixar e-book grátis

O Novo Pacto e o mistério da iniquidade

Escrito por Sigurd Bratlie

O Novo Pacto é um pacto pessoal que nós fazemos com Deus, no qual nós nos comprometemos a obedecer toda a Sua vontade, e por outro lado ele se compromete a nos equipar com tudo o que nós precisamos para o fazer. O mistério da iniqüidade é que a maioria das pessoas nega esta parte da graça que Jesus enviou a nós e, em vez disso, transformam a graça de Deus em uma licença para pecar.