Ir para o conteúdo

Zelo fanático ou adoração verdadeira?

Zelo é uma coisa boa - quando usado corretamente. Como você exercita sua religião?
Fanaticism, zeal or true worship – how do you exercise your religion? John 8:3-11

É um fato conhecido que o fanatismo pode ser um fator no exercício da religião. Isso acontece concentrando-se no pecado e “ofensa” de outras pessoas, e usando um padrão ético e moral rigoroso sobre os outros, sem aplicá-lo a si mesmo. Essa hipocrisia é o cerne do fanatismo.

Fanatismo – Zelo

O fanatismo foi definido como zelo excessivo e acrítico. Zelo (ou ciúme) é um termo encontrado na Bíblia. “… Porque não te inclinarás diante de outro deus; pois o nome do Senhor é Zeloso; é um Deus zeloso…” Êxodo 34:14. “Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes?” Tiago 4:5. Nesse sentido, o ciúme (ou, em muitas outras traduções, o zelo) refere-se ao amor ardente de Deus pelas pessoas, um amor que não aceita ou tolera a infidelidade e a traição. Nem o amor ao casamento nem as obrigações em muitos outros contextos normalmente também suportariam e aceitariam isso.

A hipocrisia dos fariseus

Em João 8, há uma história sobre Jesus que ilustra isso:

“E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério;
E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra.”
João 8:3-6.

João não nos diz nada sobre o que ele escreveu, mas como o escritor cristão Sigurd Bratlie explicou, pode ser que Jesus tenha escrito, “Também está escrito: “Não cobiçarás!’” (Deuteronômio 5:21)

“E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.
E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra. Quando ouviram isto, redarguidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio.”
João 8:7-9.

João não nos diz o que ele escreveu no segundo tempo, mas de acordo com Bratlie ele pode ter escrito: “Também está escrito na lei. ‘Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo.’ (Deuteronômio 27:26)

Vemos que os fariseus estavam focados no pecador e na ofensa física e visível. Jesus afastou os holofotes do pecador para a cobiça oculta e desejo que poderia se esconder por trás da fachada virtuosa e de obediência dos fariseus.

Redenção do poder do pecado

É comovente ver a sabedoria com a qual Jesus desarmou os fariseus e como Ele os confrontou com seu próprio pecado. Diante de uma retidão tão poderosa e convincente, os fariseus tornaram-se culpados a seus próprios olhos e se arrastaram envergonhados. Desde que eles não se mantiveram limpos da cobiça escondida, eles também estavam sujeitos à maldição.

Jesus não condenou a mulher, mas isso não significa que ele tolerou seu pecado. “Vá e não peques mais.” João 8:11. O evangelho, as boas novas, separa o pecador do pecado e redime o pecador, não só do pecado, mas também do poder do pecado e, portanto, também da maldição da lei.

Paulo, um perseguidor zeloso e um homem violento

O apóstolo Paulo, que era judeu, deu aos judeus testemunho de que eles tinham zelo por Deus, mas sem o devido conhecimento – sem discernimento. (Romanos 10: 2) Ele escreve sobre si mesmo: “… acerca do zelo, perseguidor da igreja…” (Filipenses 3: 6)

Além disso, Paulo diz: “Porque já ouvistes qual foi antigamente a minha conduta no judaísmo, como sobremaneira perseguia a igreja de Deus e a assolava. E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha idade, sendo extremamente zeloso das tradições de meus pais.” Gálatas 1:13-14.

Seu zelo pela lei não era dirigido para si mesmo, mas para o exterior, contra aqueles que ele acreditava não atender aos requisitos da lei. Seu zelo visava os “pecadores” em vez de ser zeloso para promover a boa causa, o temor do Senhor. (Provérbios 23:17)

O exercício da religião deve beneficiar a nós mesmos e aos nossos semelhantes. Este zelo mal colocado, por outro lado, fez com que Paulo respirasse ameaças e matasse os discípulos. Ele entrou em casa após casa, arrastando homens e mulheres e jogando-os na prisão. (Atos 8: 3; Atos 9: 1) Aqui vemos um exemplo dos efeitos extremos que o zelo fanático pode causar.

Paulo encontra a verdade

Mas isso foi antes do encontro dramático de Paulo com Jesus fora de Damasco. (Atos 26: 12-18) Em sua ignorância, Paulo não sabia que o Jesus que ele perseguia representava o cumprimento da lei em sua pessoa e que todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estavam escondidos nele. Depois de seu encontro com Jesus, Paulo percebeu que ele estava longe de cumprir a mesma lei que ele era tão zeloso que outros deveriam cumprir. Em sua carta aos romanos ele pergunta:

“Eis que tu que tens por sobrenome judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus;
E sabes a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído por lei;
E confias que és guia dos cegos, luz dos que estão em trevas,
Instruidor dos néscios, mestre de crianças, que tens a forma da ciência e da verdade na lei;
Tu, pois, que ensinas a outro, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas?
Tu, que dizes que não se deve adulterar, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, cometes sacrilégio?”
Etc. Romanos 2:17-22.

Depois de seu arrependimento, o foco de Paulo mudou de acender os holofotes sobre os outros, e ligou sobre si mesmo. À luz dessa busca, Paulo exclamou. “… seja Deus verdadeiro, e mentiroso, todo homem.” Romanos 3: 4.

Paulo desistiu de sua própria “justiça”, que era da lei, e foi completamente absorvida pela justiça que ele poderia receber por meio da fé em Cristo. (Filipenses 3: 9) Ele encontrou o caminho nos passos de Jesus, onde o pecado na carne, a cobiça oculta ou desejo, foi condenado. Ao andar de acordo com a liderança do Espírito Santo, o justo requisito da lei poderia ser cumprido nele. (Romanos 8: 3-4)

Uma transformação total

Depois que Paulo contou sua história diante do rei Agripa, Agripa declarou que estava quase convencido a se tornar cristão. A transformação completa que Paulo experimentou em sua vida o levou a dizer. “Prouvera a Deus que, ou por pouco ou por muito, não somente tu, mas também todos quantos hoje me estão ouvindo, se tornassem tais qual eu sou, exceto estas cadeias.” Atos 26:29. Uma pessoa que pode dizer algo assim na verdade claramente tem uma mensagem de alegria, liberdade e paz para a humanidade.

Aqui vemos que o cerne do fanatismo é a hipocrisia, uma “piedade” exterior que cobre uma vida interior, oculta, pecaminosa e má. Enquanto o fanatismo por sua própria natureza trará pessoas à escravidão sob as regras e regulamentos de outras pessoas com medo de punição, e a verdadeira adoração levará as pessoas à verdadeira liberdade, alegria, paz e companheirismo harmonioso.

Você pode estar interessado em ler mais sobre no nosso linck sobre o relacionamento por Deus, ou nos artigos selecionados abaixo:

Você pode dizer que é zeloso pelo Senhor?

Permissão para chegar a perfeição

Ensinamentos-chave

Descubra como a Palavra de Deus nos desafia e motiva a viver 100% de acordo com a Sua vontade, assim que não precisamos mais cair em pecado, mas que podemos chegar a uma vida de vitória.

Baixar e-book grátis

O que significa ser cristão

ser um cristão é uma vida muito mais profunda do que simplesmente pedir para Jesus entrar em teu coração e acreditar no perdão dos pecados. É uma vida de desenvolvimento e crescimento nas coisas de Cristo. Este livreto apresenta os fundamentos de uma vida cristã muito clara e simplesmente.

Siga-nos