Quão importante é “fugir”?

Quanto você quer superar suas concupiscências? Você está disposto a fazer tudo o que for preciso para fugir até conseguir o que realmente deseja – a vitória?

Escrito por Sigurd Bratlie
Quão importante é “fugir”?

“Foge também das paixões da mocidade…” 2 Timóteo 2:22. “havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.” 2 Pedro 1:4.

Poderíamos pensar que era supérfluo para Timóteo receber tal exortação, mas Paulo não o teria exortado se não fosse necessário. As pessoas que “fogem” são aquelas que são fracas em si mesmas. As pessoas que fogem do pecado são aquelas que odeiam suas próprias concupiscências.

Não podemos tocar em algo impuro sem sentir o cheiro da coisa impura. Portanto, somos exortados: “Não toques no que é imundo!” 2 Coríntios 6:17. Há também muita coisa escrita sobre nos purificarmos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus. (2 Coríntios 7: 1)

Com o que você se preenche?

Estamos praticamente cercados por todo tipo de imundície o dia todo, e é impossível nos mantermos puros a menos que as odiarmos. Há algo que é chamado de “ser curioso”. As pessoas gostam de saber o que está acontecendo. É impossível que essas pessoas se mantenham puras; portanto, nunca chegarão à natureza divina. O melhor que eles podem fazer é se controlar. Lemos em Apocalipse 2:24 que algumas pessoas se gabavam de conhecer as profundezas de Satanás, como dizem. No entanto, Jesus diz que Ele busca as mentes e os corações, e Ele dará a cada um de acordo com suas obras. (Apocalipse 2:23)

Realmente é preciso um esforço para nos mantermos puros das tentações involuntárias que surgem em nosso caminho. Por que devemos então olhar para algo ou ler algo que possa despertar os desejos em nossa carne? “Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.” Romanos 13:14.

Fuja do pecado: fuja por sua vida!

“Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos certamente mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.” Romanos 6:10-11.

Esta exortação se aplica principalmente à nossa vida de pensamento. Se queremos chegar à natureza divina, devemos ser fiéis em nossa vida de pensamento. Se estamos vivendo em tentação, não estamos fugindo! Quando nos detivemos em uma tentação, amamos nossas concupiscências, e isso significa que estamos debaixo da lei e servimos na velhice da letra. Quando colocamos nossos desejos à morte, servimos na novidade do Espírito. (Romanos 7: 6; Romanos 8: 3) Isso é o mesmo que odiar a corrupção que vem da carne. Isso leva à natureza divina! Não podemos viver esta vida a menos que nos posicionemos diante do rosto de Deus e sirvamos com zelo em novidade do Espírito.

“Assim diz o Senhor dos Exércitos: Pergunta agora aos sacerdotes, acerca da lei, dizendo: Se alguém leva carne santa na orla das suas vestes, e com ela tocar no pão, ou no guisado, ou no vinho, ou no azeite, ou em outro qualquer mantimento, porventura ficará isto santificado? E os sacerdotes responderam: Não. E disse Ageu: Se alguém que for contaminado pelo contato com o corpo morto, tocar nalguma destas coisas, ficará ela imunda? E os sacerdotes responderam, dizendo: Ficará imunda.’” Ageu 2:11-14.

Aqui vemos quão apropriada a exortação é fugir do pecado! Quando Deus está próximo e fomos abençoados em uma reunião de oração ou lendo a Palavra de Deus, onde o Espírito a fez viver para nós, é vital que não deixemos nossos olhos e pensamentos vagarem em todas as direções depois. Não podemos preservar a santidade em nossos corações e nossos pensamentos, se não fugirmos; nos tornamos superficiais e seremos contaminados pelo que vemos e ouvimos. Israel tornou-se assim. Todo trabalho de suas mãos e o que eles ofereciam eram impuros.

Mesmo pessoas fortes e tementes a Deus, como as que João escreveu, precisam dessas exortações. (1 João 2:13-17)

Este artigo foi publicado pela primeira vez em norueguês no periódico Tesouros Escondidos (Skjulte Skatter), da BCC, em março de 1986, com o título “Fugi também das paixões da juventude”.
© Direitos autorais Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag

 

Você pode estar interessado em ler mais sobre as nossas páginas temáticas sobre a batalha contra o pecado e vencendo o pecado, ou nos artigos selecionados abaixo:

Baixar e-book grátis

Eu estou crucificado com Cristo

Escrito por Elias Aslaksen

Este livreto é baseado nas palavras de Paulo em Gálatas 2:20: “Eu estou crucificado com Cristo; não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim …” Aqui Elias Aslaksen explica o que isto quer dizer e como os leitores podem ter o mesmo testemunho que Paulo em suas próprias vidas.