Por que ser amargo só leva a problemas

Amargura e rancor causam divisões e conflitos – mas há uma saída!

Escrito por Øyvind Johnsen
Por que ser amargo só leva a problemas

O exemplo de perdão de José

“Vendo então os irmãos de José que seu pai já estava morto, disseram: Porventura nos odiará José e certamente nos retribuirá todo o mal que lhe fizemos. Portanto mandaram dizer a José: Teu pai ordenou, antes da sua morte, dizendo: Assim direis a José: Perdoa, rogo-te, a transgressão de teus irmãos, e o seu pecado, porque te fizeram mal; agora, pois, rogamos-te que perdoes a transgressão dos servos do Deus de teu pai. E José chorou quando eles lhe falavam.” Gênesis 50:15-17.

Os irmãos temiam que José os tivesse perdoado apenas porque seu pai havia mandado. Por experiência, injustiças como José sofrera nas mãos de seus irmãos criam uma “raiz amarga”. José agora tinha o poder de puni-los, e os irmãos temiam o castigo. Para remediar os danos, eles vieram até ele, caíram diante dele e disseram: “Eis que somos seus servos“. Gênesis 50:18. Mas os irmãos não tinham motivos para temer. José havia mantido seu coração puro em tudo e, portanto, podia ver a mão de Deus no que estava acontecendo. Ele os perdoou de coração, e aqui vêm as famosas palavras: “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida.” Gênesis 50:20.

Esse é um dos relatos mais pungentes que podemos ler na Bíblia. José entendeu que perdão e reconciliação eram uma condição crucial para que os descendentes de Jacó pudessem se manter unidos e serem preservados como um povo no futuro. É inspirador que esta nação de doze tribos tenha sua origem na reconciliação de doze irmãos.

Vencendo o mal com o bem

Nelson Mandela, na África do Sul, agiu de maneira semelhante. Ele foi preso na ilha de Robben por 27 anos. Tal experiência normalmente criaria uma raiz de amargura. Mas, recontando sua libertação da prisão, ele diz: “Ao sair pela porta em direção ao portão que levaria à minha liberdade, eu sabia que se não deixasse minha amargura e ódio para trás, ainda estaria na prisão. ” Ele entendeu que a sociedade futura do país não poderia ser construída sobre uma raiz de amargura, mas apenas baseada no perdão e na reconciliação.

“Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem,” Paulo escreve em Romanos 12:21. Se você se torna amargo nas circunstâncias da vida, você é vencido pelo mal. Como tal, você é incapaz de vencer o mal.

“Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor;
Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.”
Hebreus 12:14-15. Esta raiz amarga só pode estabelecer-se em um coração imundo. Tem um grande efeito contagioso e causa apenas danos. Um coração puro mantém a amargura fora.

A cruz une

“…Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação.” 2 Coríntios 5:19. Pela morte expiatória de Jesus, o mundo foi reconciliado com Deus. Essa paz, como resultado da reconciliação, pode ser experimentada por toda alma que crê em Cristo. Mas, para que essa paz e reconciliação sejam preservadas, a inclinação em nossa carne, que se lembra do mal que os outros fazem conosco, deve ser colocada na cruz, pois esse é o único lugar onde a inimizade pode ser morta. (Efésios 2: 14-16.)

A inimizade e a amargura criam divisões entre as pessoas, enquanto a cruz as une. Se você morder ou acusar seu próximo, é a inimizade de sua carne que está usando sua língua como ferramenta. “Porque também nós éramos noutro tempo… vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros.” Tito 3:3. A inimizade gera inimizade. Imagine sair deste círculo vicioso por tempo e eternidade! Portanto, é adequado para nós, cristãos “Que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda a mansidão para com todos os homens.” Tito 3:2. “… assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.” Colossenses 3:13.

Vemos que o perdão e a reconciliação são essenciais e fundamentais no ensino cristão e como condição para se tornar um construtor de comunidades.

 

Você pode estar interessado em ler mais em nossa página de tópicos sobre relacionamento com outros, ou nesses artigos selecionados:

Baixar e-book grátis

O que significa ser cristão

Escrito por Elias Aslaksen

ser um cristão é uma vida muito mais profunda do que simplesmente pedir para Jesus entrar em teu coração e acreditar no perdão dos pecados. É uma vida de desenvolvimento e crescimento nas coisas de Cristo. Este livreto apresenta os fundamentos de uma vida cristã muito clara e simplesmente.