Os três que foram crucificados e seus seguidores

“E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda… E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a […]

Escrito por Elias Aslaksen
Os três que foram crucificados e seus seguidores

“E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda… E um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava dele, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós. Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.’” Lucas 23:33,39-43.

Na cruz do meio pendia o Filho de Deus. Ele ficou lá porque Ele voluntariamente se tornou o Filho do Homem, ele participou de carne e sangue como nós, Ele tomou sobre Si uma vontade humana, Ele nunca fez a Sua vontade mas sempre a negou e fez a vontade do Pai, Ele nunca pecou, Ele amou toda a humanidade e procurou salvá-los, e porque Ele lhes disse a verdade. Ali Ele pendurou aquele que neste mundo sempre carregou a sua cruz e negou a Sua vontade, que, espiritualmente falando, sempre viveu uma vida crucificada desde o dia em que Ele tinha idade suficiente para entendê-la.

Nas outras duas cruzes pendiam criminosos, homens que sempre haviam feito a sua própria vontade e nunca haviam feito a vontade de Deus. Ambos sempre viveram em pecado. No entanto, havia uma diferença grande e muito essencial entre esses dois criminosos. Um era duro e incrédulo, enquanto o outro era terno, reconhecendo e acreditando. Um era impenitente e, portanto, permaneceu do lado de fora, enquanto o outro entrou no Paraíso com Jesus.

Nenhum desses homens havia andado nos passos de Jesus e agora não tinham mais oportunidade de fazê-lo. É assim com todo pecador que se converte apenas no final de sua vida.

Todos devemos começar como o único ladrão, com um pedido de misericórdia e perdão pelos nossos pecados. Todos começamos como “ladrões”. Mas só porque esse ladrão é um exemplo de como começar no caminho da salvação, isso não significa que ele deve ser nosso exemplo enquanto continuamos. Muitos são chamados e recebem a oportunidade de seguir o que foi crucificado na cruz do meio e andar nos passos que Ele deixou para trás – Ele que nunca fez a Sua própria vontade, mas sempre viveu uma vida crucificada.

O fato é que todas as pessoas, quer saibam ou não, se encaixam em um desses três grupos e seguem um desses três grupos crucificados. Aqueles que, pela graça de Deus, vencem o pecado pertencem ao grupo do meio. Aqueles que não vencem, mas confessam seus pecados e pedem perdão pertencem ao segundo grupo; aqueles que são impenitentes e não pedem perdão pertencem ao terceiro grupo.

É significativo que tantos crentes olhem para o ladrão arrependido como seu exemplo e encontrem conforto nele; eles se consolam com a oração do publicano pela mesma razão. É bem verdade que devemos começar assim. Mas não é verdade, como muitos pensam, que tenhamos que continuar assim até o fim.


Este artigo foi traduzido do norueguês e foi publicado pela primeira vez em 1937 como um capítulo no livreto “Eu Sou Crucificado com Cristo”.

© Direitos autorais Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag

 

Leia mais sobre viver uma vida crucificada com Cristo em the e-book “I Am Crucified with Christ.”

Baixar e-book grátis

O evangelho de Deus

Escrito por Sigurd Bratlie

Graça significa que todo o nosso pecado é perdoado quando o confessamos. Mas ela também significa que nós recebemos poder para obedecer à verdade que Jesus trouxe. Neste livro, Sigurd Bratlie fala sobre isso, mostrando o verdadeiro evangelho de Deus, que é a obediência da fé.