O pecado começa com as pequenas coisas

O caminho da minha vida se resume às decisões que tomo no dia a dia.

Escrito por CristianismoAtivo
O pecado começa com as pequenas coisas

Pode ser extremamente fácil condenar o pecado de outras pessoas. Quando um homem trai sua esposa há 20 anos ou quando uma mulher abusa de uma criança, é fácil imaginar o que levaria alguém a se comportar dessa maneira. “O que há de errado com eles?” nós pensamos. O adultério e o abuso são pecados óbvios que causam uma grande ruína em muitas vidas. Mas o que muitos de nós não percebemos é que a raiz dessas coisas, o começo, está dentro de todos nós.

Podemos ler em Salmo 143:2, “à tua vista não se achará justo nenhum vivente,” e novamente em 1 João 1:8, “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos.” Portanto, entendemos que todos nós temos pecado, ou seja, a tendência de fazer o mal.

Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, … inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões…” Gálatas 5:19-20.

Uma inclinação para o pecado

Todos nós carregamos dentro de nós uma inclinação para o mal. É uma parte de nós. É totalmente natural ter ciúme, ficar com raiva, cobiçar um homem ou uma mulher. E quando cedemos a essas inclinações naturais, concordamos que não há problema em pecar e isso se manifesta em nossos corpos. Podemos ir tão longe a ponto de nos enganarmos, por meio do raciocínio humano, pensando que as coisas não são pecado. “É muito pequeno para ter importância” ou “realmente não parece tão errado”. Conforme nossas vidas continuam, se não cortarmos esses pecados pela raiz desde o primeiro momento em que nos tornamos cientes da tentação, ficamos presos na luxúria, raiva, ciúmes, contendas, etc. O que começou como “é só pouca coisa; não é tão ruim ”, agora é um caso, um rancor para toda a vida, um caso de abuso ou um vício. Como Jesus, precisamos condenar esses pecados no momento em que aparecem, sem permitir que nenhum raciocínio ou engano de Satanás nos desvie do que está escrito na Palavra de Deus. Então, as tentações nunca terão a chance de se manifestar como pecado em nosso corpo e em nossa vida.

Não é assim que deve ser com nós! “Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências;.” Romanos 6:12. Paulo escreve muito claramente que quando cedemos ao pecado, então nos tornamos escravos do pecado. Mas, para nos libertarmos dessa escravidão, devemos primeiro odiar o pecado. Temos que ter uma atitude como a de Davi. “Não aborreço eu, ó Senhor, aqueles que te aborrecem, e não me aflijo por causa dos que se levantam contra ti? Aborreço-os com ódio completo; tenho-os por inimigos.” Salmo 139:21-22. Claro, isso não é fácil, porque o pecado é humano; é uma parte de nós. É por isso que tantos nunca se libertam do adultério, das contendas e da explosão de ira; eles são tão parte de nós que não podemos odiá-los naturalmente.

Tornando-se divino

Mas não devemos permanecer naturais e humanos, devemos nos tornar divinos. “… para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que, pela concupiscência, há no mundo,.” 2 Pedro 1:4. Quando vemos nosso próprio pecado, podemos orar a Deus pedindo ajuda para odiá-lo. Ter ódio pelo pecado que vemos em nós mesmos é o primeiro passo no caminho para nos tornarmos livres. Então, precisamos orar por fé para lutar contra o pecado que odiamos, portanto, não exercerá seu efeito poderoso sobre nossas vidas e as vidas das pessoas ao nosso redor. Tornamo-nos menos “humanos” e mais semelhantes a Jesus. Em vez de nos tornarmos infelizes e destruir nossa vida e a vida das pessoas ao nosso redor, podemos ser uma bênção durante nosso tempo aqui na terra.

Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito!” Provérbios 4:18.

Baixar e-book grátis

O Novo Pacto e o mistério da iniquidade

Escrito por Sigurd Bratlie

O Novo Pacto é um pacto pessoal que nós fazemos com Deus, no qual nós nos comprometemos a obedecer toda a Sua vontade, e por outro lado ele se compromete a nos equipar com tudo o que nós precisamos para o fazer. O mistério da iniqüidade é que a maioria das pessoas nega esta parte da graça que Jesus enviou a nós e, em vez disso, transformam a graça de Deus em uma licença para pecar.