O amor é paciente, é benigno – eu posso ser assim?

Crescendo, sempre pensei que era uma pessoa muito descontraída. Mas isso não significava que eu tinha o amor virtuoso que está escrito em 1 Coríntios 13.

Escrito por Eunice Ng
O amor é paciente, é benigno – eu posso ser assim?

O amor é paciente, é benigno

Em 1 Coríntios 13 está escrito sobre amor e há uma lista inteira: “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça.” São os dois primeiros que sempre ficaram na minha mente: “O amor é sofredor, é benigno.” Isso está em um quadro na minha casa há muito tempo.

Amor humano versus amor divino

É muito normal uma mãe amar seus filhos. Nós tentamos o nosso melhor, não gritamos com eles – bem, tentamos não fazê-lo. Mas não somos chamados a apenas ter um amor humano, mas um amor que é realmente divino, como está escrito em 1 Coríntios 13. No final, diz: “O amor nunca falha“.

O amor de Deus não é apenas um amor por causa de quem eu sou – uma mãe que ama seus filhos e quer fazer algo de bom por eles. Você tem que ir além disso. É o amor virtuoso que surge, que substitui o que teria sido uma reação ruim, digamos, quando meus filhos estão agindo. É a reação amorosa que surge quando, por natureza, não seria possível.

Para que esse amor divino se manifeste, tenho que me negar – isto é, a raiva e a irritação que naturalmente surgem em mim. Tem que haver uma batalha contra essas tendências para que as virtudes possam surgir. Essa tem sido uma enorme necessidade para mim e algo em que ainda estou trabalhando. É quando meu amor natural chega ao seu limite que tenho a oportunidade de obter o amor virtuoso e piedoso.

Ver a mim mesma

Crescendo, sempre pensei que era uma pessoa muito descontraída. Eu nunca fiquei brava com as pessoas; as pessoas não me incomodaram em geral. Houve um longo momento na minha vida em que eu não estava indo à igreja ativamente, mas depois voltei porque vi que o mundo estava vazio. Mas mesmo assim, não foi diferente até que experiências mais tarde na vida começaram a mostrar que tinha realmente um lado mais sombrio em mim. Eu experimentei ser empurrada a um ponto em que realmente senti uma parte feia de mim aparecendo. Isso me trouxe necessidade.

Todos chegamos a nossos limites em algum momento. Se você visse alguém mais zangado com algo que uma criança pequena está fazendo, você ficaria chocado, mas a mesma raiva surge em você, talvez em uma situação diferente. Está em mim tanto quanto em qualquer outra pessoa.

Quando chego às minhas próprias fronteiras e tento fazê-lo com minhas próprias forças, chega um momento em que essa força não é suficiente, e eu entro em colapso. Mas um amor virtuoso, um amor que vem de Cristo, não sofre muito até certo ponto e depois para. Não importa o que os outros estejam fazendo, não importa qual seja a situação, ela apenas continuará. O amor sofre por muito tempo e é gentil.

O amor não busca o seu próprio

Quando meus filhos estão agindo, eles são como crianças em geral: gritando e não ouvindo o que estou dizendo. Então eu tenho que lidar com a situação. Mas como estou lidando com isso? Estou lidando com a minha irritação, só para superar isso, dizendo que todo mundo tem que me ouvir agora, porque estou irritada e não posso me incomodar?

Nessas situações, descobri que o motivo pelo qual saí do amor e estou na inquietação é porque sou egoísta. Eu quero que as coisas aconteçam mais rápido; isso está me irritando. Não é porque eu cuido das crianças, que não quero que elas se comportem assim. Muitas vezes é por minha causa. Assim que se procura, não há amor por lá.

Na verdade, diz em Tiago 3: 16-17, “Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa. Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia.”

Quando sou egoísta, buscando minha própria vantagem, é impossível ter virtudes ou qualquer coisa divina vindo de mim.

Eu tenho que me humilhar

Ouvi um homem piedoso dizer isso uma vez, que só temos tanta sabedoria quanto as virtudes que recebemos. E que só temos tanta sabedoria quanto nos humilhamos, para que andem de mãos dadas. Para obter as virtudes, preciso me humilhar. As pessoas podem ter uma natureza fácil, e geralmente eu sou assim, então as pessoas podem dizer: “Oh, você aceita essa situação tão bem”, mas na verdade não é assim. Sou apenas eu sendo eu. Eu não fiz nada de bom para levar essa situação de uma certa maneira. Mas também posso começar a pensar que sou ótima ou que tenho uma certa sabedoria, quando na verdade não tenho. Preciso ser levada ao limite para ver isso.

Não posso apenas dizer: “Ok, agora vejo que preciso amar essa pessoa. Eu vou amá-los. Da próxima vez que essa situação chegar, vou agir de maneira amorosa. ”Mas isso não funciona. Na verdade, tenho que perceber minha própria fraqueza, me humilhar e estar preparado, para que, quando a situação chegar, eu me volte para Deus. “Deus, você precisa me ajudar, preciso de toda a força e poder para poder agir agora de maneira amorosa, e não da maneira que sai naturalmente.”

A situação física pode continuar exatamente a mesma. Não posso mudar a forma como as crianças são, mas posso mudar a maneira como as faço. Eu tenho que reconhecer o egoísmo, a irritação e a inquietação em mim, e matá-los pelo poder do Espírito Santo. (Romanos 8: 12-13.) Então uma paz me sobrevém. Então também posso ouvir o que o Espírito está me dizendo. Eu posso amar meus filhos com um amor virtuoso. Talvez ainda precise ser rigorosa com eles, às vezes, mas pode haver uma paz interior. Então as virtudes sairão de mim.

Esse é o meu maior desejo, que virtudes divinas cheguem e que haja vida em mim. A maneira humana em que eu costumava reagir será cada vez menor, e chegará um ponto em que isso não acontecerá mais. Essa é a minha esperança.

Você pode estar interessado em ler mais sobre o nosso arquivo sobre a vida familiar, ou nos artigos abaixo.

Baixar e-book grátis

O que significa ser cristão

Escrito por Elias Aslaksen

ser um cristão é uma vida muito mais profunda do que simplesmente pedir para Jesus entrar em teu coração e acreditar no perdão dos pecados. É uma vida de desenvolvimento e crescimento nas coisas de Cristo. Este livreto apresenta os fundamentos de uma vida cristã muito clara e simplesmente.