Estou preso pelo que os outros pensam de mim?

Procurar a honra das pessoas cria muita turbulência, mas está profundamente em todo ser humano. Como podemos nos livrar disso?

Escrito por Connie Christensen
Estou preso pelo que os outros pensam de mim?

Uma inclinação que reside profundamente nos seres humanos é que queremos ter “crédito” pelas coisas que dizemos e fazemos. Na queda, o pecado entrou na natureza humana, e assim, mesmo as nossas melhores ações, se não forem trabalhadas por Deus, ficaram contaminadas pelo pecado. O fato é que não podemos fazer nada de nós mesmos, que é verdadeiramente digno de receber qualquer honra.

Um grande inimigo tem sido, e ainda é, o de querer ser reconhecido pelas pessoas ao meu redor. Porque ele me liga e me controla, então não sou livre para fazer o bem que Deus trabalha em mim e que eu quero fazer.

Se eu fiz algo bom que é trabalhado por Deus, como ser obediente a um versículo das escrituras que ficou claro para mim, então a honra é de Deus e não a minha.

Embora esse entendimento esteja lá como um bom fundamento na minha vida, definitivamente não significa que nunca vou tentar a honra. Porque estou tentado – se não souber da minha natureza, meus pensamentos estão ocupados com a aparência diante dos outros. Na minha opinião, surge a tentação, e é aí que deve ser combatido.

Como combater a tentação?

Uma parte importante da armadura completa de Deus é mencionada em Efésios 6:17: a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus. Por minha parte, provou ser a arma mais eficaz contra as tentações e, portanto, também contra os pensamentos de receber honra das pessoas. O bem sobre a Palavra de Deus – ou versículos das escrituras – é que eles podem ser usados ​​uma e outra vez. A espada não é de uso único. E funciona de cada vez.

Existem algumas escrituras que usei quando surgiu o pensamento da honra. O primeiro é o que está em 1 Coríntios 4: 7: “Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido? “É uma grande arma! Muitas vezes eu apenas me digo: “O que você tem que você não recebeu?” A resposta é: Nada. Tudo é pela graça de Deus, e toda a honra pertence a Ele. Se eu procurar crédito de qualquer maneira, roubo algo que não me pertence. Se eu der a Deus a glória, tudo cai no seu lugar legítimo e recebo uma maravilhosa liberdade do pesado fardo de estar diante do rosto do homem com as coisas que eu faço.

 Outra escritura que usei como arma é em Romanos 3:27: “Onde está logo a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé. “. Além de Gálatas 1:10,” por que eu agora persuade os homens, ou Deus? Ou eu procuro agradar os homens? Pois, se eu ainda agradasse os homens, eu não seria um servo de Cristo. “E é isso que eu quero, afinal. Ser um servo de Cristo que pode fazer o bem e abençoar aqueles que encontro no meu caminho.

Meu foco deve ser buscar a glória de Deus, deixar que ele me guie e encontrar Sua vontade com minha vida. E, em qualquer caso, o foco não deve ser deixar-me controlar pelas opiniões e honras de outras pessoas.

O que Deus diz?

As opiniões das pessoas são mutáveis; Às vezes eles o louvam até as nuvens, outras vezes você pode ser criticado. Não é o que é importante – mas sim o que Deus diz sobre minha vida e meus motivos.

Eu ainda estou tentado de vez em quando a buscar a honra das pessoas, por exemplo, pensando que eu fiz algo realmente bem, ou ficando inchado quando eu fui louvado ou temendo críticas e sendo falado de forma negativa. Mas o que é tão bom é que eu conheço meu inimigo, e eu conheço minhas armas, e eu sei como enfrentar a luta. Então meu coração e mente podem ser mantidos puros, e isso traz felicidade e alegria. Isso me deixa livre para ouvir o que Deus quer me dizer.

Baixar e-book grátis

Eu estou crucificado com Cristo

Escrito por Elias Aslaksen

Este livreto é baseado nas palavras de Paulo em Gálatas 2:20: “Eu estou crucificado com Cristo; não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim …” Aqui Elias Aslaksen explica o que isto quer dizer e como os leitores podem ter o mesmo testemunho que Paulo em suas próprias vidas.