Ir para o conteúdo

Como podemos nos considerar mortos para o pecado?

Todos experimentamos a tentação de pecar, mas para vencer, precisamos agir!

“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências;” Romanos 6:12.

O pecado (desejo) está escondido no corpo. A tentação agita o pecado, mas nunca devemos permitir que ele reine. Assim que tomarmos consciência de um desejo, devemos nos considerar mortos para o pecado. (Romanos 6:11) É assim que sempre podemos viver uma vida vitoriosa. Toda pessoa é tentada quando é arrastada por seus próprios desejos e seduzida. (Tiago 1:14) No entanto, ser tentado não é pecado. Como diz Pedro, “Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações,
Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo.”
1 Pedro 1:6-7.

“Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” Mateus 5:28. Aviso: “para a cobiçar.” A lei dizia: “Você não deve cobiçar [cobiça]. (Êxodo 20:17) Mas este homem olhou para uma mulher para desejá-la. Ele concordou com o desejo em seus membros em vez de se considerar morto para esse desejo. Ele serviu a lei do pecado com sua mente, e por isso cometeu adultério em seu coração. O apóstolo Paulo disse que ele serviu a lei de Deus com sua mente. (Romanos 7:25)

Tiago pergunta, “De onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?
Cobiçais, e nada tendes;”
 Tiago 4:1-2. Os desejos exigem a guerra em nossos membros, a tal ponto que há lutas e rivalidade nas igrejas cristãs porque as pessoas não se consideram mortas para esses desejos. Temos que resistir ativamente o pecado assim que tomarmos consciência disso, e fazemos isso resistindo aos desejos. Não fomos capazes de fazer isso de acordo com a lei, porque a lei só se torna efetiva depois que o pecado é manifesto. “Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne;.” Romanos 8:3.

A obra de Deus em Cristo foi mais profunda que a lei; Este trabalho ocorreu dentro do corpo de Jesus. Lá a própria cobiça (ou pecado na carne) foi condenada. É por isso que Jesus diz, “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” Mateus 5:27-28.

Jesus veio destruir as obras do diabo. Ele fez isso pela vitória em cada tentação que Ele encontrou, através do poder do Espírito eterno que habitava dentro dele. Deste modo, ele sofreu a morte na carne (sofreu quando foi tentado), mas, em troca, ele foi vivificado pelo Espírito.

Ao longo do nosso treinamento na piedade, enquanto lutamos o bom combate da fé contra os desejos de nossos membros, nós temos Jesus Cristo como nosso fiel Sumo Sacerdote, porque Ele mesmo foi tentado e, portanto, pode ajudar.

Somente aqueles que são crucificados com Cristo vivenciam essa batalha e essa vitória. Ninguém mais pode se tornar uma carne com Ele, nem em seu opróbrio nem em Sua glória. Este é um grande mistério: o noivo e a noiva – Cristo e a igreja – uma só carne.

Este artigo foi traduzido do norueguês, e foi publicado pela primeira vez sob o título “Resistir aos desejos na carne ” no periódico “Skjulte Skatter” (“Tesouros escondidos”) de BCC em abril de 1928.© Copyright Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag

Ensinamentos-chave

Descubra como a Palavra de Deus nos desafia e motiva a viver 100% de acordo com a Sua vontade, assim que não precisamos mais cair em pecado, mas que podemos chegar a uma vida de vitória.

Baixar e-book grátis

Eu estou crucificado com Cristo

Este livreto é baseado nas palavras de Paulo em Gálatas 2:20: “Eu estou crucificado com Cristo; não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim …” Aqui Elias Aslaksen explica o que isto quer dizer e como os leitores podem ter o mesmo testemunho que Paulo em suas próprias vidas.

Siga-nos