Ore pelos nossos líderes e governos

A Bíblia nos instrui a estarmos orando pelos assuntos das nações em que vivemos.

Ore pelos nossos líderes e governos

“Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;” 1 Timóteo 2:1-2.

Nestes versículos, recebemos uma clara exortação do apóstolo Paulo de que devemos orar por todas as pessoas. Isso inclui aqueles que governam os países em que vivemos. Quando olhamos para a política e aqueles no poder e aqueles que lutam pelo poder, pode parecer que esta é uma tarefa fútil. Podemos quase nos perguntar, que ajuda será a de orar por pessoas sem Deus e orgulhosas que certamente não estão dispostas a serem guiadas por Deus? Como a oração ajudará isso? Por que devemos realmente orar? Deus pode orientar o governo usando essas pessoas? Qual é a intenção real de orar como este versículo exorta?

Paulo, e muitos ao longo dos séculos, sabiam que Deus ouve e considera as orações de pessoas tementes a Deus. Tiago escreve sobre Elias: “A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos. Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.” Tiago 5:16-18.

As pessoas tementes a Deus não devem se sentar e aceitar o que vier. Devemos lutar em oração pelos nossos líderes e pelo nosso país! Independentemente do tipo de pessoa que o líder possa ser. Nós lemos em Provérbios 21:1: “Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer.” Os olhos de Deus percorrem a terra para encontrar aqueles que são leais a Ele e apoiá-los totalmente. (2 Crônicas 16: 9) Tiago também afirma: “nada tendes, porque não pedis. Tiago 4:2. Paulo exortou as igrejas a orar por aqueles em autoridade para que Deus pudesse agir em favor daqueles que o servem. Devemos defender algo em um mundo ímpio; se não tomarmos a luta dessa maneira pelo que é certo, quem fará?

Sabemos que Deus é onipotente e pode fazer o que quiser. Mas não podemos ser fatalistas por causa disso. Há exemplos na Bíblia em que Deus mudou seus planos por causa da oração. Ele havia decidido destruir Israel depois que eles pecaram fazendo um bezerro de ouro, mas então Moisés pediu: “‘ Ó Senhor, por que se acende o teu furor contra o teu povo, que tiraste da terra do Egito com grande força e com forte mão? Por que hão de falar os egípcios, dizendo: Para mal os tirou, para matá-los nos montes, e para destruí-los da face da terra? Torna-te do furor da tua ira, e arrepende-te deste mal contra o teu povo. Lembra-te de Abraão, de Isaque, e de Israel, os teus servos, aos quais por ti mesmo tens jurado, e lhes disseste: Multiplicarei a vossa descendência como as estrelas dos céus, e darei à vossa descendência toda esta terra, de que tenho falado, para que a possuam por herança eternamente. Então o Senhor arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo.” Êxodo 32:11-14.

Portanto, é bom tomar cuidado com o que Paulo escreveu e orar por nossos líderes e pedir a Deus que guie seus caminhos. Podemos pedir a Deus para agir e orientar as coisas para que possamos viver “uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade”. Por exemplo, podemos orar para que nenhuma lei seja aprovada ou decisões que dificultem nossa capacidade de ter reuniões cristãs ou que derrubariam a integridade moral do país. Podemos também pedir a Deus para proteger a segurança de nossa pátria, especialmente para o bem de nossas famílias e outros entes queridos. Podemos ter certeza de que Deus está acompanhando nossas orações enquanto ele dirige os assuntos das terras em que vivemos.

 

Baixar e-book grátis

Eu estou crucificado com Cristo

Este livreto é baseado nas palavras de Paulo em Gálatas 2:20: “Eu estou crucificado com Cristo; não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim …” Aqui Elias Aslaksen explica o que isto quer dizer e como os leitores podem ter o mesmo testemunho que Paulo em suas próprias vidas.