O fogo de Pentecostes

No Pentecostes os discípulos foram batizados com o Espírito Santo e fogo. O fogo é necessário para preservar a unidade.

Escrito por Aksel J. Smith
O fogo de Pentecostes

“De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.” Atos 2:41-42.

A primeira igreja continuou unânime todos os dias no templo. Eles se reuniram em um espírito contra todas as hostes espirituais da iniquidade. O primeiro amor estava queimando em seus corações. As pessoas haviam sido vítimas de Satanás por séculos, mas agora ele teve que recuar diante deste fogo de Pentecostes.

As feras selvagens mantêm distância do fogo

Se você quer se proteger na selva de animais selvagens, você acende um fogo. As feras selvagens assistirão de uma distância segura na selva, e sempre que as chamas se acenderem, elas recuam alguns metros. Mas quando as chamas começam a diminuir, elas se aproximam um pouco mais e continuam a se aproximar, pouco a pouco, quando o fogo se apaga. Aqueles que estão na periferia serão os primeiros a serem vítimas das feras. Se o fogo acabar completamente, todos se tornarão suas presas. Esta é uma imagem do que pode acontecer na igreja do Deus vivo.

Lemos em Atos 6: 1 que quando o número dos discípulos estava se multiplicando, surgiu um murmúrio contra os hebreus pelos judeus que falavam grego. Aqui podemos ver a rapidez com que o rosnar dos animais selvagens podia ser ouvido entre aqueles que estavam na periferia da primeira igreja. Paulo diz no capítulo 20: 28-29, “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.
Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho;”

Paulo exorta fortemente os anciãos a vigiar o rebanho e protegê-los contra esses lobos selvagens. Nada deve ser poupado para proteger o rebanho de Deus, que Jesus conquistou com o Seu próprio sangue. É quando precisamos amar a Cristo “mais do que estes”. Leia João 21: 15-17.

O fogo do Pentecostes está sempre queimando nos discípulos

Satanás não pôde fazer nada com o núcleo dos discípulos na primeira igreja; eles eram invencíveis. O fogo do Pentecostes queimava em cada um deles até o dia da morte. Mesmo nos nossos dias animais de presa estão rondando a igreja do Deus vivo, e de vez em quando você pode ouvir roncando e rugindo na periferia. No entanto, mesmo agora há um núcleo de discípulos em cujos corações o fogo de Pentecostes está ardendo intensamente, e Satanás não tem poder sobre eles. Por esta razão, todos devem ser rápidos em chegar ao centro onde o fogo é mais quente.

Se o fogo é para queimar, deve sempre ser alimentado pela vida própria. O fogo do Pentecostes desapareceu nos corações onde falta um reconhecimento cada vez mais profundo do eu. Então tudo o que resta são memórias gloriosas de quando foram batizados com o Espírito. As feras selvagens – embora estejam em roupas de ovelha – assolam tais assembleias.

O fogo do Pentecostes deve ser mantido em chamas. São necessárias reuniões de oração fervorosas. Toda maldade deve parar conosco. Vamos estar em alerta contra qualquer brecha na comunhão com os santos, porque então estamos acabados. Nós só podemos crescer o crescimento do corpo junto com os outros santos, até aquele que é a cabeça. Somente no corpo é a plenitude de Cristo. Sejamos como o núcleo dos discípulos da primeira igreja que preferem ser queimados na fogueira do que o pecado.

Retirado de um artigo publicado pela primeira vez no periódico “Skjulte Skatter” (“Tesouros Escondidos”) do BCC, janeiro de 1938
© Direitos autorais Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag

Baixar e-book grátis

Eu estou crucificado com Cristo

Escrito por Elias Aslaksen

Este livreto é baseado nas palavras de Paulo em Gálatas 2:20: “Eu estou crucificado com Cristo; não vivo mais eu, mas Cristo vive em mim …” Aqui Elias Aslaksen explica o que isto quer dizer e como os leitores podem ter o mesmo testemunho que Paulo em suas próprias vidas.