O evangelho de Deus

Paulo explica o evangelho de Deus: quem é Jesus segundo (1) a carne e (2) o Espírito.

Escrito por Sigurd Bratlie
O evangelho de Deus

O evangelho de Deus

“Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus. O qual antes prometeu pelos seus profetas nas santas escrituras, Acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne, Declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dentre os mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor.” Romanos 1:1-4.

Os profetas do Antigo Testamento profetizaram sobre Jesus em Isaías 7: 14-15 e em Isaías 9 e Isaías 53. Também lemos sobre Ele em Miqueias 5, e em muitas, muitas outras escrituras. No Novo Testamento, podemos encontrar profecias sobre Ele em Lucas 24: 25-27, Atos 18:28, 1 Pedro 1: 10-13 e outros lugares.

Nos versículos acima, Paulo explica brevemente em duas partes o evangelho de Deus a respeito de Jesus: (1) quem Ele é segundo a carne e (2) quem Ele é segundo o Espírito. Se desconsiderarmos ou mudarmos uma dessas partes, não temos o evangelho de Deus.

O que significa que Ele descendeu de Davi de acordo com a carne? Simplesmente, significa o que diz. Sabemos sobre Davi e sua semente. Paulo era da mesma linhagem. (Hebreus 2:16.) Paulo diz sobre si mesmo, “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” Romanos 7:18. E a carne de Jesus era exatamente assim.

De acordo com o Espírito de santidade, Ele foi designado Filho de Deus no poder por sua ressurreição dos mortos. Também não podemos mudar esse fato. Então surge a pergunta: Quando Ele veio à terra naquele corpo que era da semente de Davi, ele veio com toda a plenitude de Deus em Seu Espírito? A resposta é “Não”, porque está escrito, “… Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.” Filipenses 2: 6-8. Frequentemente ouvimos dizer: “Ele era verdadeiro Deus e verdadeiro homem”. Mas isso não é verdade se você quer dizer que Ele reteve toda a plenitude de Deus quando veio à Terra no corpo que era da semente de Davi. Essa declaração também não é apropriada à luz do que está escrito em Hebreus 12.:2, “… Olhando para Jesus, autor e consumador da fé.”

Leia mais aqui: Por que Jesus teve que morrer na cruz?

O que aconteceu em Jesus durante os dias de sua carne?

“O qual, nos dias da sua carne, oferecendo, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, foi ouvido quanto ao que temia. Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu.
E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem; Chamado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.”
Hebreus 5:7-10.

Lemos que suas orações foram ouvidas. Assim, não poderia ter sido salvo de sua morte na cruz do Calvário, pois teve que sofrer essa morte para reconciliar todas as coisas com Deus. (Colossenses 1: 19-22; 2 Coríntios 5:19.) “Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis …” Romanos 8:13. Foi por causa dessa morte que Ele ofereceu orações e súplicas, com altos gritos e lágrimas, àquele que foi capaz de salvá-lo da morte, suas orações foram ouvidas; e a morte não poderia segurá-lo. Aqui, novamente, temos as duas partes do evangelho.

Em Hebreus 2: 14-15, lemos, “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão.”

Em Gênesis, lemos como a serpente, por uma mentira, enganou Eva a pensar que ela se tornaria como Deus, conhecendo o bem e o mal. A serpente tentou Eva com uma glória que ela disse que ela poderia ganhar por desobediência; mas o resultado foi a morte. No entanto, Jesus veio primeiro com a morte, e através da morte ele destruiu quem tinha o poder da morte. Ele veio com a morte às concupiscências e desejos da carne, que são a causa de toda a corrupção no mundo e que terminam na morte. (2 Pedro 1: 4.) Mas pela morte com a qual Jesus veio, chegamos – por obediência – àquela glória com a qual a serpente tentou Eva.

Quase todo mundo acredita na mesma mentira que Eva acreditava, e eles acabam em corrupção. Jesus, por outro lado, matando primeiro todos os desejos e concupiscências, destruiu aquele que tinha o poder da morte; e para aqueles que acreditam, o poder daquele que tinha o poder da morte também é destruído. Isso foi comprovado pela ressurreição de Jesus dentre os mortos no terceiro dia. Paulo havia chegado à fé nisso, e pelo conhecimento de Jesus ele poderia dizer: “Para mim, viver é Cristo, e morrer é ganho.” Filipenses 1: 21-23.

“Porquanto o que era impossível à lei, visto como estava enferma pela carne, Deus, enviando o seu Filho em semelhança da carne do pecado, pelo pecado condenou o pecado na carne;.” Romanos 8:3. Esta foi a primeira parte do evangelho; tornou possível a segunda parte.

Romanos 8:3 é o fundamento do evangelho que nos é oferecido no versículo 4: “… Para que a justiça da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.”


Este artigo foi traduzido do norueguês e é uma versão ligeiramente abreviada dos dois primeiros capítulos do livro “O Evangelho de Deus”, publicado pela primeira vez por Skjulte Skatters Forlag em janeiro de 1988.
© Copyright Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag

 

Se você foi ajudado por este artigo sobre o evangelho de Deus, também pode estar interessado em ler mais sobre o nossa página de tópicos sobre Cristo manifestado em carne, ou nos artigos abaixo.

Baixar e-book grátis

O evangelho de Deus

Escrito por Sigurd Bratlie

Graça significa que todo o nosso pecado é perdoado quando o confessamos. Mas ela também significa que nós recebemos poder para obedecer à verdade que Jesus trouxe. Neste livro, Sigurd Bratlie fala sobre isso, mostrando o verdadeiro evangelho de Deus, que é a obediência da fé.