Este site usa cookies para reconhecer visitas repetidas e preferências, para fornecer recursos de mídia social e para analisar o tráfego. Ao clicar em “Aceito” ou ao usar nosso site, você concorda com o uso de cookies e com nossos Termos de Uso.
"Mostre e conte"

"Mostre e conte"

Lembra do “mostre e conte” na escola? Pensei em como isso se aplica a como eu compartilho o evangelho ...

6 minutos ·

Você se lembra dos dias “mostre e conte” na escola? Os alunos podiam trazer itens de casa que eram especiais de alguma forma; ou incomuns em si mesmos ou com uma história muito interessante. O objeto seria passado pela classe e todos poderiam segurá-lo, olhá-lo de perto e ser atraídos para a história de seu passado. Eles puderam apreciar e entender mais sobre isso porque eles viram com seus próprios olhos. Teria muito menos impacto se cada aluno simplesmente entrasse e dissesse: "Tenho uma coisa especial em casa e vou explicar como é ..."

O que temos ouvido, visto, contemplado e tocado

Fui lembrada disso ao pensar em como me comportava quando era uma cristã jovem, recém-convertida e com entusiasmo para dizer às pessoas exatamente no que eu acreditava e por que eu acreditava nisso. Comecei com meu irmão mais novo; Eu o encurralei na sala de jantar e decidi explicar a ele o que era um cristão. Depois que terminei de contar a ele por que Jesus veio à terra, expliquei como eu achava que seu futuro seria se ele não acreditasse no que eu acreditava. Não há necessidade de repetir o que eu disse a ele aqui, mas a expressão em seu rosto me mostrou que eu o deixei miserável e quase se sentindo intimidado. Eu estava dizendo a ele no que eu queria que ele acreditasse, sem mostrar a ele o que era uma vida cristã.

A diferença entre mostrar e contar aos poucos foi surgindo em mim à medida que fui crescendo. Como seres humanos, somos inspirados por aquilo que podemos “ver e tocar” por nós mesmos. João fala sobre isso em uma de suas cartas. Ele descreve algo "o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida". 1 João 1: 1.

Você pode pensar que João estava apenas contando a eles sobre Jesus, e Jesus não estava realmente lá.

Ah, mas ele estava...

A vida de Jesus em nós

E este é o ponto crucial de tudo. Quando começamos a viver o que está escrito no evangelho em vez de apenas entendê-lo, a vida de Jesus começa a crescer e se desenvolver dentro de nós e é isso que as pessoas podem "tocar e segurar". Viver o que está escrito exige que renunciemos à nossa própria vontade , e esta é a “morte do Senhor Jesus” a que Paulo se refere.

"Trazendo sempre por toda parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossos corpos." 2 Coríntios 4:10.

Podemos nos sentir compelidos a explicar o que a Bíblia diz sobre como e por que Jesus veio à Terra para nos salvar, mas se não estivermos vivendo o que estamos dizendo, então nossas palavras não terão impacto. Quando somos jovens, não podemos esperar estar cheios da sabedoria de Deus. Mas mesmo como um jovem adolescente, eu poderia ter vivido com um pouco de humildade. Eu poderia ter vivido o que entendi na época, o que era bastante simples, só Deus sabe. Ser gentil com meu irmão e ser útil em casa teria sido um bom ponto de partida - e teria sido o suficiente! Mesmo essas pequenas coisas contam quando começamos esta vida. Deus não espera que sejamos teólogos ou pregadores, especialmente quando somos adolescentes. Mas ele espera que sejamos honestos e façamos o que sabemos. Não apenas para “contar”, mas para “mostrar”.

Uma mudança acontece

Quanto mais eu poderia ter conquistado o coração do meu irmão se tivesse passado um tempo com ele, em vez de apenas dizer a ele como ele deve mudar, então sair e fazer minhas próprias coisas. Se não podemos mostrar aos outros o que estamos vivendo o que acreditamos, então o que estamos dizendo perderá qualquer autoridade. O que minha família pôde ver de mim naquela época foi muito entusiasmo por algo que ainda não havia mudado minha vida por dentro. O que eles ainda viram foi uma menina envolvida em si mesma e que relutaria em oferecer ajuda e apoio dentro de casa.

À medida que fui crescendo, fiquei mais preocupada em fazer o que entendia e pedir ajuda a Deus quando fracassasse. Quando continuamos fazendo isso, nossas vidas mudam lenta mas seguramente, e com o tempo essa mudança será notada por aqueles que conhecemos. Se eu tivesse me preocupado mais com esse processo quando recém-convertida, talvez pudesse ter salvado meu irmão de ser oprimido por meu conhecimento e, em vez disso, ele poderia ter sido aquecido e animado por uma irmã que se importava com ele.

Essa adolescente sabe-tudo, que queria dizer às pessoas em que acreditar, tornou-se mãe e avó que passou por uma vida difícil, como muitas outras. Minha experiência de vida me mostrou isso; Deus quer nos dar seu Espírito para nos guiar ao longo da vida, mostrando-nos como nossa natureza humana domina o que dizemos e fazemos, e então nos dá força e poder para fazer sua vontade em vez da nossa. Se nos submetermos a esse processo com fé cega, um milagre começará a acontecer. Somos mudados por dentro e é isso que as pessoas com quem vivemos serão capazes de ver, tocar e manusear. E, melhor ainda, é o que os levará a querer essa vida para si mesmos, e talvez não tenhamos que dizer nada.

Escritura retirada da New King James Version®, a menos que especificado de outra forma. Copyright © 1982 por Thomas Nelson. Usado com permissão. Todos os direitos reservados.