A verdade sobre a justiça imputada

“Abraão creu em Deus, e isso lhe foi atribuído como justiça.” Cremos, assim como Abraão, numa verdadeira retidão pessoal…

A verdade sobre a justiça imputada

“Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça.” Romanos 4:3. Isso foi dito sobre Abraão quando Deus lhe prometeu que seus descendentes seriam tantos quanto as estrelas que não podem ser contadas. Foi Abraão quem acreditou na justiça imputada? Não; Ele acreditava nas promessas de Deus, e isso era considerado para ele como justiça. Foi Deus que olhou para ele assim.

A promessa a Abraão era que ele receberia um filho que viria de seu próprio corpo. (Gênesis 15: 4) Ele acreditava em Deus, não em sua própria força. Ele acreditava que Deus lhe daria um filho de verdade, não um filho que lhe fosse imputado. Quando Abraão acreditou nisso, Deus “vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem,” contou como se já tivesse seu filho. (Romanos 4:17)

De justiça imputada a uma fé testada

A fé teve que ser testada, e Abraão e Sara tiveram que esperar pelo cumprimento da promessa até que sua própria força fosse esvaziada. Abraão considerou seus corpos amortecidos, mas ele não se enfraqueceu na fé, pois a fé nada tem a ver com a própria força. Ele deu glória a Deus e não foi envergonhado. Ele recebeu Isaque, na realidade, um filho que veio de seu próprio corpo.

O apóstolo usa isso como uma ilustração para nós. Nós temos as promessas do evangelho. Sua soma total é “para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis,.” Colossenses 1:22. Essas promessas são proclamadas a nós enquanto ainda somos ímpios e pecadores. Se acreditarmos nas promessas de Deus, como Abraão fez, então Deus também nos imputa como justiça.

Nós não temos obras, mas cremos naquele que justifica o ímpio. Sua fé é considerada como justiça. (Romanos 4: 5) É essa justiça imputada em quem temos fé? Não, nós acreditamos, assim como Abraão, em uma verdadeira justiça pessoal que virá do nosso próprio corpo, e acreditamos que Deus operará essa transformação em nós. Aquele que chama aquelas coisas que não existem como se elas existissem, Ele já nos vê como se fôssemos aquilo em que acreditamos que Ele é poderoso para nos fazer. Ele nos imputa nossa fé Nele como justiça, e não seremos envergonhados. Ele cumprirá Sua promessa em nossas vidas. No entanto, nossa fé também deve ser testada. Nossa própria força também deve ser esvaziada antes que a promessa possa ser cumprida. Deus pode vir em nosso auxílio com Sua força depois de termos tentado vencer e sermos esmagados por causa de nossa própria iniquidade. (2 Coríntios 12: 9)

A maioria das pessoas perde a fé quando elas olham para si mesmas e desistem completamente. Eles dizem: “Nós apenas temos que estar satisfeitos com a justiça imputada. Somos apenas humanos e não podemos ser outra coisa. É bom que Deus nos atribua a vida de Jesus ”, etc. Esta não é a fé de Abraão!

Uma experiência verdadeira e visível

A pregação usual da justiça imputada é como se Abraão tivesse ficado satisfeito com um filho imputado sem realmente receber um. Milhares e milhares de pessoas vivem nesta terrível escuridão e decepção. A esperança do evangelho sobre a vitória sobre o pecado não é proclamada a eles, mas uma vitória imputada é proclamada a eles, e assim eles passam a acreditar em uma justiça imputada e nunca experimentam ser transformados em novas criações para que a justiça venha de suas próprias corpos. O espírito do Anticristo perverte o evangelho para que aqueles que ouvem nunca experimentem algo verdadeiro e real. Eles têm tudo pela fé, o que acaba sendo pura fantasia! Deus nunca considera tal fé para eles como justiça.

A fé de Abraão deu a ele uma experiência verdadeira e visível. Aqueles que têm a fé de Abraão nestes dias têm a mesma experiência. “os que cremos naquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus nosso Senhor;
O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação.”
Romanos 4:24-25. Nós experimentamos que Ele nos justifica, de modo que se torna verdadeiro e visível a todos que as virtudes de Cristo vêm de nosso próprio corpo.


Este artigo foi traduzido do norueguês foi publicado pela primeira vez sob o título “Justiça Imputada” no periódico BCC Skjulte Skatter (Tesouros Escondidos) em junho de 1955.
© Direitos autorais Stiftelsen Skjulte Skatters Forlag

Explore mais no nosso arquivo sobre justiça. Ou leia mais sobre o autor, Sigurd Bratlie, aqui:

/sigurd-bratlie-um-apostolo-de-deus/

 

Baixar e-book grátis

O Novo Pacto e o mistério da iniquidade

O Novo Pacto é um pacto pessoal que nós fazemos com Deus, no qual nós nos comprometemos a obedecer toda a Sua vontade, e por outro lado ele se compromete a nos equipar com tudo o que nós precisamos para o fazer. O mistério da iniqüidade é que a maioria das pessoas nega esta parte da graça que Jesus enviou a nós e, em vez disso, transformam a graça de Deus em uma licença para pecar.